Perguntas Frequentes

Plano CEMAT BD-I

Todos os participantes do plano Cemat BDI: ativos, assistidos, autopatrocinados, beneficiários e BPD.

Somente se você ainda estiver trabalhando no grupo. Nesse caso, é necessário ser um participante ativo no Plano Energisa ou, caso ainda não seja, deverá fazer a sua adesão ao Plano.

Não, a migração é voluntária.

Durante a campanha de Migração, você poderá formalizar a sua adesão por meio de formulário específico, disponível no portal da Migração em www.energisaprev.com.br/migracao/plano-cemat-bd/ a ser preenchido e devolvido à fundação, por meio físico ou digital.

Para receber informações de interesse, utilize os nossos canais:
E-mail: migracao@energisaprev.com.br
Central de Atendimento: 0800 372 7738
WhatsApp: (11) 98495-1583

Será enviado o valor de migração em agosto, com valores posicionados em 31/07/2020. Este valor será revisado pelo atuário no dia que efetivamente acontecer a transferência das reservas de migração para o Plano Energisa.

Não. A opção deve ser exercida de forma livre e absolutamente consciente. Essa decisão é de caráter pessoal.

A Reserva de Migração é calculada pelo atuário, de forma personalizada, com base:
– Nas suas características específicas e de sua composição familiar;
– Na sua expectativa de vida segundo a tábua de sobrevivência , que atualmente é a BR-EMS 2015 por Sexo, uma tábua nacional e baseada na Experiência do Mercado Segurador (EMS)”
– Na taxa de juros adotada na avaliação atuarial; e,
– Especialmente, conforme a situação patrimonial do plano na data da efetiva da migração.
É por isso que, considerando todas as variáveis envolvidas, cada reserva pode ser diferente quando comparada com a reserva de migração de outro participante.

Os benefícios garantidos pelo Plano Energisa são:
• Aposentadoria;
• Benefício por Invalidez; e,
• Pensão por Morte.

Os requisitos para concessão da Renda Mensal da Aposentadoria são:
• 45 anos de idade;
• 5 anos de trabalho no Grupo Energisa;
• 5 anos consecutivos de contribuição previdenciária para o Plano Cemat BD-I e Plano Energisa, somados; e
• Não ter mais vínculo empregatício com o Grupo Energisa.

Para o Benefício por Invalidez, os requisitos são: carta de concessão do benefício emitida pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).
Para Pensão por Morte: basta a certidão de óbito.

No Plano Energisa, você escolhe, dentre quatro opções de renda, a que melhor lhe convier, calculada sobre a reserva migrada. Não há garantia de valores.

No Plano Energisa, você poderá escolher entre as seguintes formas de Renda Mensal:
a) Renda Mensal por Percentual sobre o saldo;
b) Renda Mensal por Valor Constante;
c) Renda Mensal por Prazo Certo por cotas constantes; ou,
d) Renda Mensal por Prazo Certo por cotas decrescentes.

Não se preocupe: a EnergisaPrev fornecerá simulações de todas as opções de renda mensal.

Será atualizada mensalmente, de acordo com o valor da Cota Patrimonial do mês anterior ao do pagamento.

Será atualizada no mês de novembro de cada ano, de acordo com a variação do valor da cota no período, limitada a 2,5% do saldo da conta individual.

Será atualizada mensalmente, de acordo com o valor da Cota Patrimonial do mês anterior ao do pagamento.

Será atualizada mensalmente, de acordo com a variação do valor da Cota Patrimonial no período e a taxa de juros utilizada na DIB (Data de Início do Benefício). Esta forma de renda tende a assegurar o poder de compra do benefício de aposentadoria sem grandes variações entre os anos, permitindo maior duração do saldo de conta, uma vez que a rentabilidade real dos investimentos é destinada para a longevidade do benefício.

Caso, por um infortúnio, você venha a falecer, seus beneficiários passarão a receber uma renda mensal, calculada com base no saldo remanescente da conta individual.
Na ausência de beneficiários, cônjuge e filho menores de 24 anos, o saldo remanescente da conta individual será pago ao(s) beneficiário(s) indicado(s) e, ainda, na ausência destes, será pago aos herdeiros legais.

Nada muda. Permanecerá no plano atual e submetendo-se ao Regulamento do seu Plano.

Não. No Plano Energisa, você terá a oportunidade de administrar a sua reserva e escolher como receberá o seu benefício – podendo retirar mais ou menos dinheiro de sua conta, de acordo com o seu interesse. Como a renda é financeira, ela é determinada exclusivamente pelo saldo de sua conta individual, e será paga até que ele se esgote.

Isso significa que a renda mensal é concedida e atualizada de acordo com o retorno dos investimentos do Plano Energisa e que não há garantia de renda vitalícia.

Para as pessoas que ainda estão ativas:
O Plano é patrocinado por todas as empresas do Grupo Energisa. Ou seja: caso você seja transferido(a) para outra empresa da que se encontra hoje, não terá sua vida previdenciária interrompida;
• Flexibilidade nos níveis de contribuições, com possibilidade de escolher entre 2% e 20% do seu salário e com a liberdade para adequar esse percentual anualmente;
• A Energisa contribui o mesmo valor (100%) junto com você, até 7% do seu salário;
• Melhoria na regra de Resgate, que pode chegar a até 100% das contribuições que a Energisa fez para você e garante, no mínimo, 25% desse valor;
• Em caso de Portabilidade, o valor a ser portado inclui 100% das contribuições que Energisa fez para você;
• A Contagem das carências já conquistadas no Plano de origem será preservada;
• O Plano é desvinculado do INSS, exceto pelo caso de invalidez;
• Riscos exteriorizados: é possível contratar, individualmente e por valor bastante abaixo do mercado, seguro de invalidez e/ou morte por uma Seguradora parceira da EnergisaPrev;
• Em caso de morte do participante, o saldo é destinado para os beneficiários ou herdeiros legais;
• Possibilidade de saque, à vista, de até 25% do saldo em conta no ato da concessão do benefício;

Para as pessoas que já estão recebendo benefícios do Plano:
• O interessado poderá escolher sua forma de renda, por um prazo determinado de no mínimo 5 anos, ou por prazo indeterminado, limitado um percentual de 2,5% do seu saldo de conta;
• Autonomia na administração de seus recebimentos: anualmente é possível alterar o prazo, o percentual ou o valor constante, de acordo com a forma de renda escolhida;
• Possibilidade de sacar até 25% do saldo de migração, parcelado entre 12 e 24 meses;
• Em caso de falecimento, a renda é revertida para o(s) dependente(s) e na ausência deste(s), o saldo que ainda existir na sua conta (reserva) vai para seus beneficiários indicados (você define para quem quer deixar o seu dinheiro) e ainda, na ausência de indicados, será pago aos herdeiros;
• Opção de receber ou não uma 13º mensalidade anual, como um 13º salário;
• Eliminação do risco atuarial, o que representa não ter risco de déficits no plano.

• Não há garantia de benefício vitalício.
• Os Participantes Ativos deixam de ter prévio conhecimento do nível de benefício, que passa a ser determinado exclusivamente pelo saldo de conta.

No Plano Energisa, além da contribuição normal, você só paga a contribuição administrativa, hoje de 3% sobre suas contribuições normais ou sobre seu benefício mensal, para cobrir as despesas administrativas do plano.
O nível de contribuição administrativa é revisto anualmente.

Sim! A contagem do seu tempo de vinculação ao Plano Cemat BD-I será considerada como tempo de vinculação ao Plano Energisa.

Sim. Sua reserva matemática calculada pelo atuário, caso migre, será ajustada com o déficit apurado no Plano Cemat BD-I. O valor da sua reserva, que será apresentado pelo simulador, é apenas uma projeção caso a migração fosse efetivada em 31/07/2020 (base do simulador).

Não. No Plano Energisa, não existe a possibilidade da ocorrência de déficit atuarial (desequilíbrio da reserva para garantir benefícios vitalícios), pois a renda mensal é determinada exclusivamente pelo saldo de sua conta individual, que será paga até que o saldo se esgote.

O período será fixado pelo Conselho Deliberativo, e as reservas serão transferidas para o Plano Energisa em até 60 (sessenta) dias contados do término do prazo de opção, ou seja, contados a partir de 27/11/2020.

Sim, obedecendo a seguinte regra:
De Regime Regressivo para Regime Progressivo: Sua Reserva de Migração continuará sob Regime Regressivo, irrevogável e irretratável, e as novas contribuições serão sob o Regime Progressivo, dessa forma quando vier a receber benefícios terá duas rendas, cada uma sob um regime de tributação, conforme os valores acumulados por regime.

De Regime Progressivo para Regime Regressivo: Sua Reserva de Migração adotará o Regime Regressivo com início da contagem do prazo de acumulação para efeito de regressão da alíquota de Imposto de Renda a partir da data efetiva da migração.

Atenção! Isso significa que se você fizer a opção pelo Regime Regressivo, a sua alíquota inicial será de 35% (trinta e cinco por cento). Seu tempo de contribuição anterior não será considerado para efeitos de regime tributário.

Não. Sua opção pela migração será irrevogável e irretratável, e acarretará renúncia aos direitos e obrigações previstos no regulamento do seu plano atual.
Como não poderá ser revertida, ela deverá ser exercida de forma livre e absolutamente consciente. Por isso estamos realizando esclarecimentos com bastante antecedência. Consulte outros especialistas em caso de dúvidas.

O valor do Resgate corresponde a 100% das suas contribuições pessoais, normais e voluntárias, mais a parte das contribuições realizadas pela empresa, conforme o seu tempo de vínculo com o Grupo Energisa, independentemente de como aconteceu seu desligamento.

Sim. Como dito anteriormente, o resgate das contribuições realizadas pela empresa depende do seu tempo de serviço no Grupo Energisa, e pode chegar a até 100% da parte contribuída pela Energisa, conforme quadro abaixo:

Marcação a Mercado* é a precificação do investimento ao preço de mercado do dia.

Os fundos de benefício definido (BD), que têm obrigações de longo prazo contratadas (aposentadorias e pensões), podem contabilizar a rentabilidade de alguns investimentos na *Curva* e não a *Mercado*, como Títulos Públicos e Títulos Privados em geral.

Reconhecer a rentabilidade na *Curva* nada mais é que contabilizar mensalmente como rendimento a taxa de juros contratada na aquisição do título, independentemente do preço atualizado do Título, pois pressupõe que você *não* ‘venderá’ o título, mas sim ‘receberá’ seu valor somente no vencimento.

O valor dos Títulos varia de acordo com a variação das taxas de juros no mercado. Quando os juros caem, o valor do Título sobe. O contrário é verdadeiro, quando os juros sobem o valor do Título cai.

Atualmente vivemos uma queda na taxa de juros, o que gera um resultado positivo quando alteramos a marcação da rentabilidade de *Curva* para *Mercado*.

Por exemplo, um título público com vencimento em 15/08/2050 (NTN-B) comprado em *10/12/2013* à taxa de *6,51% a.a.* mais inflação, em *31/07/2020* tinha seu preço de *Curva* de *R$ 3.186,00*, como as taxas caíram nos últimos anos, o mesmo ativo foi negociado no mercado, na mesma data, em 31/07/2020, ao preço de *Mercado* de *R$ 4.746,31*, gerando uma diferença positiva de *R$ 1.560,31*.

Não, o atendimento será exclusivamente por telefone, email, chat e pela internet.

Pagina exemplo

Quero receber uma ligação





Pagina exemplo